No fundo o pior seria não serem capazes de amar

“Confiarás ainda, inútil negar; porque aqueles como tu,
simplesmente não conseguem ver o podre, não conseguem
não ter esperança, a não procurar o bom. Aqueles como tu
não têm medo de chorar, de ficar triste; mesmo quando
tudo se rompe e fere. Sabem tomar seu tempo,
sabem viver o que sentem, mesmo a tristeza.
Aqueles como tu fazem projetos e os abraçam, mas depois
decidem apenas com o coração. Se armam até os dentes,
mas, inevitavelmente, se deixam
ferir. Não é loucura, não é
masoquismo; não se pode explicar a quem não entenderia.
Amam e pronto. E se dói,
paciência. Cedo ou tarde, passa.
Mas se não colocássemos o coração, não se reconheceriam mais.
E nesse caso, sim, perderiam o que têm de melhor:
eles mesmos. No fundo o pior seria não sentir nada, não ser mais capazes de nada, não serem capazes de amar.”

amar, gin

credit: brothersmyd

 

Ti fiderai ancora, inutile negarlo; perché quelle come te,
proprio non ce la fanno a vedere il marcio, non ce la fanno
a non sperare, a non cercare il buono. Quelle come te
non hanno paura di piangere, di starci male; anche quando
tutto si spezza e ferisce. Sanno prendersi il loro tempo,
sanno viversi quello che provano, anche la tristezza.
Quelle come te fanno progetti e si impuntano, ma poi
decidono soltanto col cuore. Si armano fino ai denti,
ma, inevitabilmente, si lasciano ferire. Non è follia, non è
masochismo; non puoi spiegarlo a chi non capirebbe.
Amano e basta. E se fa male, pazienza. Prima o poi, passa.
Ma se non ci mettessero il cuore, non si riconoscerebbero più.
E in quel caso, sì, perderebbero ciò che hanno di migliore:
loro stesse. In fondo la cosa peggiore sarebbe non provare nulla, non essere più capaci di niente, non essere capaci d’amare.

Gin. 

0

Leave A Comment

Facebook